Área do Associado
FAQ
Comunicação > Notícias Vaga com carteira dá primeiro sinal de reação em dois anos Por LUCAS VETTORAZZO

Após mais de dois anos em queda, o emprego com carteira assinada no setor privado deu os primeiros sinais de reação no trimestre encerrado em julho. Não só o volume de vagas formais criadas cresceu como a renda desse trabalhador subiu, o que não ocorreu em outras categorias.

O aumento dos postos com carteira foi modesto, 0,2% (ou 54 mil vagas), mas interrompe uma sequência iniciada ainda em 2014 e, mais importante, é mais um sinal, segundo analistas, de que o mercado de trabalho começa a reagir à tímida recuperação da economia nacional.

"O emprego dá um respiro que não me parece apenas pontual, mas sim uma tendência", afirma o economista Everton Carneiro, da RC Consultores.

O avanço do emprego com carteira assinada é importante porque ele garante maior estabilidade ao trabalhador, além de benefícios -plano de saúde, por exemplo.

Mas a melhora do mercado de trabalho (a taxa de desemprego ficou em 12,8% no trimestre até julho, ante 13,6% nos três meses anteriores) é explicada especialmente pelo avanço do emprego informal.

Na comparação entre o período de fevereiro a abril com o de maio a julho, 350 mil pessoas entraram no mercado de trabalho via ocupações de conta própria - como camelô ou motorista de Uber.

O total de trabalhadores no setor privado que não têm carteira também teve uma disparada: 468 mil a mais.

"Em termos quantitativos é uma recuperação, mas em termos qualitativos a melhora está ainda baseada em uma plataforma informal de trabalho", afirma o técnico do IBGE Cimar Azeredo.

À medida que crescem os postos informais, há diminuição da renda do trabalhador sem carteira -queda de 2,3% na passagem dos trimestres.

Um trabalhador no setor privado sem carteira assinada ganha, em média, R$ 1.197, quase metade da renda dos funcionários formalizados (R$ 2.025), que cresceu 0,7% em relação ao trimestre encerrado em julho.
 
"A melhora [do desemprego] está assentada na informalidade como reflexo da crise. O aumento dos ocupados, porém, pode anunciar retomada, ainda que lenta, do emprego formal", disse o analista da consultoria Tendências Thiago Xavier.

Azeredo, do IBGE, alerta para os riscos da continuidade do crescimento da informalidade, que poderá refletir em menos arrecadação de impostos federais e demora para a retomada do consumo das famílias.

"Pode ter impacto no futuro, porque essas pessoas não contribuem para a Previdência, por exemplo, não são amparadas pelo seguro-desem-prego. Isso pode chegar ao comércio, já que carteira assinada ê uma espécie de passaporte para o consumo entre as pessoas de mais baixa renda", disse.

ATIVIDADES

A indústria, muito prejudicada pela crise, por sua vez, passou a gerar vagas.  Na passagem dos trimestres, o acréscimo foi de 425 mil pessoas.

O setor público também contribuiu para a estatística, com 423 mil postos gerados. Os serviços, transportes e alimentação também ajudaram, mas são segmentos em que há maior incidência de trabalho informais.

A chamada massa de rendimento real -que ê a soma de todos os salários recebidos no país- teve a primeira alta significativa, de 1,3%, desde outubro de 2014.
 

Fonte Folha de S. Paulo 

< Voltar
Tel.: (11) 3872-9880 Rua Alfredo Pujol, 285 - 10º. andar - Cj. 102 Santana - São Paulo - SP
© SINDECON-SP. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo do SINDECON-SP. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.